Mandrágora, a misteriosa planta que grita

Era muito utilizada pelos antigos romanos como anestésico em suas cirurgias. A raiz desta planta, assemelha-se a um ser humano e, em
alguns casos, a um perfeito feto. Devido à esta semelhança, muitos mitos e
lendas foram criados ao redor da mandrágora e seu uso na magia e
na bruxaria estava também relacionado a esta similaridade.

A mandrágora é considerada uma planta mágica desde a antiguidade.
Ela aparece, inclusive, em textos do antigo testamento
(no livro do Gênesis e no Cântico dos Cânticos).
Desde tempos remotos usa-se a mandrágora para os mais diversos fins;
dizem que ela possui qualidades de natureza medicinal e, tanto médicos
como curandeiros, a recomendavam principalmente como analgésico e narcótico.
Mas seu uso ia muito mais além, pois acreditava-se que ela era afrodisíaca e alucinógena.

Era muito utilizada pelos antigos romanos como anestésico em suas cirurgias. A raiz desta planta, assemelha-se a um ser humano e, em
alguns casos, a um perfeito feto. Devido à esta semelhança, muitos mitos e
lendas foram criados ao redor da mandrágora e seu uso na magia e
na bruxaria estava também relacionado a esta similaridade.

mandrágora

​​​ Segundo uma lenda medieval a raiz da mandrágora era como um pequeno homem
dormindo dentro da terra e, ao ser retirado de seu
descanso, dava um grito tão agudo que era capaz de deixar surdo, enlouquecer e
até mesmo levar alguns homens a morte.

Com base nessa crença, foram sendo criadas várias técnicas para
se retirar a mandrágora do solo sem sofrer com o grito da planta.
Alguns tapavam os ouvidos, afofavam a terra ao redor da
mandrágora, amarravam a planta ao pescoço de um cachorro e faziam com que
o mesmo corresse, arrancando a raiz do solo.

Hoje em dia ela ainda é usada como amuleto de sorte, prosperidade e proteção;
é usada com fins magísticos e afrodisíacos; usada também em
doses seguras na fabricação de remédios homeopáticos e
também usadas por algumas pessoas como droga recreativa.
Podemos ver a caricatura desses homenzinhos estranhos em
diversos filmes, livros, jogos e desenhos.
Como no filme de Guillermo Del Toro, O Labirinto de Fauno,
no jogo de MMORPG Ragnarok e até mesmo nas histórias de Harry Potter.