A maldição familiar

Olhe para cima! Seja qual for tua circunstância de vida, assuma o perseverante compromisso de reformar, refinar, nobilitar-se hoje, amanhã e sempre; deixando tudo, se não perfeito, ao menos significativamente melhor.

O indivíduo é mais resultado de seu meio e raízes que de sua própria vontade.

Sim, a linha de pensamento é muito simples: da mesma forma que se adquire propriedades genéticas, culturais, religiosas, psíquicas e sociais dos ascendentes, se revive, reproduz e repassa elementos de semelhante natureza aos descendentes.  

O pretérito familiar não te condena mas pavimenta diante de ti um padrão, uma estrutura fundamental que pode lhe favorecer o sucesso ou acelerar o fracasso. A rebeldia adolescente tende a distanciar-se do modelo doméstico, entretanto, a vida tem por hábito repetir essencialmente os mesmos desafios n’algo que vai bem além da herança genética.

A roda da vida gira, a serpente morde a própria calda e os ciclos se sucedem uns sobre os outros, repetindo padrões até que estes se refinem por força da Lei da Evolução.

Maldição familiar não é sinônimo d’algum feitiço, mandinga, malefício lançado por terceiros e sim de um formato pensênico desalinhado com as Leis Superiores que (em você!) deve ser ajustado!

Maldição familiar é, em filosofia esotérica, o conjunto de desafios, problemas e ‘nós cármicos’ que determinado grupo, por laços familiares, assume, tenham ou não consciência disto!

Em linhas gerais, um carma familiar se manifesta por deficiências fisiológicas, desvios psicológicos, incompatibilidades pensênicas, vícios reiterados, acidentes repetidos e dificuldades padronizadas.

Existe uma ‘nuvem’ invisível que guarda os ‘arquivos’ de indivíduos ‘conectados’ familiarmente.

Nada ocorre por acaso, e isto significa que o núcleo familiar em que você está lhe servirá perfeitamente como escola, e mais, trará um ‘carma’ que, em parte, deve ser superado por ti.

Eis teu desafio: transmutar, elevar, dignificar em ti o legado familiar!

Olhe para cima! Seja qual for tua circunstância de vida, assuma o perseverante compromisso de reformar, refinar, nobilitar-se hoje, amanhã e sempre; deixando tudo, se não perfeito, ao menos significativamente melhor.

Caciano Compostela